Posts

Passeios pelo Interior de Gramado

Se você pensa que todo o charme de nossa cidade está presente apenas no Centro, entre a Avenida Borges de Medeiros e nossos atrativos em parques, museus e chocolates – você está enganado. Sim, com o crescimento anual do número de visitantes surgiu a vontade, pode-se dizer também que a necessidade, de mostrar um novo nicho turístico aqui na cidade. O Agroturismo vem ganhando um espaço de destaque mostrando as origens de Gramado, o interior do município invadiu o centro da cidade há alguns anos e tem recebido como retorno um altíssimo índice de visitantes.

A Praça das Etnias, um dos pontos turísticos que você precisa conhecer, localizada ao lado da rodoviária municipal e que abriga as três casas de nossa cultura – Alemã, Italiana e Portuguesa, as quais colonizaram a cidade, é ponto de visitação carimbado, sendo cenário para muitas recordações fotográficas também. Ali ainda encontram-se os Fornos Coloniais, onde o turista pode adquirir pães e cucas quentinhos preparados com todo o carinho pelos descendentes de colonizadores. Para aqueles que cuidam com mais atenção de suas refeições, na Praça das Etnias também acontece a Feira Orgânica, aos sábados pela manhã, que comercializa uma infinidade de legumes, verduras e frutas recém colhidas. Compotas, geleias, queijos e vinhos são alguns dos produtos oferecidos aos visitantes na Casa do Colono, um dos locais mais visitados em Gramado.

A cultura, costumes e a história dos primeiros italianos que chegaram em Gramado é contada no Memorial Italiano, onde os turistas são recepcionados por descendentes compartilhando suas experiências e lembranças. O mesmo acontece no Memorial Português. Uma casa fica ao lado da outra, deixando a Praça super charmosa, com as diferentes arquiteturas e revelando grande parte da nossa história, mostrando como nos tornamos o que somos hoje – um dos principais destinos do Brasil e o principal destino de inverno do país.

Ainda na Praça das Etnias tem partida dos Passeios de Agroturismo, que levam o visitante a lugares inesquecíveis rodeados por uma natureza exuberante. Gramado oferece, atualmente, cinco roteiros: Tour do Vale, Raízes Coloniais, O Quatrilho, Caminhos Linha Ávila e Roteiro Criativo Várzea/Serra Grande. Ambos contam a história dos ancestrais que construíram Gramado e fizeram desta terra um lugar aconchegante para morar e constituir família. Vamos conhecer um pouco mais sobre cada roteiro?

Tour no Vale – A estrada de chão, o ar puro, a natureza, as casas coloniais e a visita às famílias italianas e alemãs proporcionam momentos inesquecíveis no Vale do Quilombo e Linha 28, no interior de Gramado. Junto à morros de intensa vegetação, rios e cachoeiras, passando por campado de araucárias, parreiras de kiwi e uva à bordo de um ônibus tipicamente colonial, o turista passa a conhecer as belezas naturais que Gramado esconde em seu interior. Nesse passeio tu conhecerás:

Família Marcon | A lida do campo é o que marca a primeira parada do passeio. O casal italiano Vicente e Fátima Marcon compartilha a história de seus antepassados no memorial da família mostrando objetos que eram utilizados pelos seus pais, o plantio de milho e o manejo com os animais. O visitante é convidado para alimentar as ovelhas com as próprias mãos. Para finalizar esta parada, todos degustam um bom suco de uva, acompanhado de pães e geleias produzidas pelos Marcon.

Família Perini | Conheça a história dessa família, o parreiral, a casa com seus móveis, utensílios e demais pertences dos antepassados.

Alambique dos Rossa | A arte de produzir cachaça, graspa e vinho é o que marca esta parte do passeio. Quem conduz é o proprietário e produtor Romeu Rossa que conta a história de sua família. O visitante acompanha a produção da cachaça de alambique desde a colheita da cana-de-açúcar. Em meio a um campado, onde o verde predomina, o turista pode provar destas delícias.

Família Baretta | Em uma casa centenária em estilo enxaimel, onde funcionava um salão de kerb, o visitante é recebido pelo seu proprietário Jovani Baretta, que servem um saboroso café da tarde com verdadeiros produtos coloniais recheado por bolos, pasteis, cucas, sucos e cafés. O sanfoneiro Jovir abre sua gaita e chama o turista ao agito.

Raízes Coloniais – Descendentes de colonizadores italianos e alemães mostram toda a essência da cultura gramadense. A arquitetura e as culinárias típicas são as principais atrações neste passeio à bordo de um Chevrolet Apache 1958, onde o visitante usufrui paisagens bucólicas e românticas na Linha Bonita e Linha Nova, onde nasceu a cidade de Gramado. Nesse passeio tu conhecerás:

Casa Centenária | Construída em madeira sobre um porão de pedras onde até hoje são conservados vinhos, queijos e salames, a casa mistura-se com a história de Gramado. Recebidos pela proprietária Elizabeta Ferrari, os visitantes encantam-se com a arquitetura, e principalmente a hospitalidade dos descendentes de italianos, que ajudaram a colonizar o município.

Moinho Cavichion | O visitante é recebido pelos proprietários que contam a história de sua família e da propriedade de forma muito divertida. O Moinho é movido pela força da roda d’água e em seu interior conservam-se equipamentos e ferramentas utilizadas no trabalho no início do século XX. Ainda no moinho se pode acompanhar o processo de produção da farinha de milho como antigamente.

Ervateira Marcon | A bebida típica do Rio Grande do Sul ganha destaque nesta terceira parada. Os visitantes são recebidos pela família Marcon e acompanham o processo artesanal de fabricação da erva-mate, a matéria prima do chimarrão, que pode ser degustado ao final da visitação.

Museu Fioreze | Desde a infância o desejo de guardar objetos fascina Nelson Fioreze. De forma humorada, ele conduz os visitantes ao museu contando a história de algumas relíquias. Também acontece visita à farmácia, assim chamada pelo proprietário, onde se pode degustar vinhos, graspas e licores.

Família Foss | O cheiro de pães caseiros quentinhos, geleias de frutas, manteiga, salames e queijos atiçam o paladar dos visitantes, que são recebidos pela Dona Zulmira Foss, a matriarca, ao som de músicas típicas italianas. Não há como não se apaixonar pela história da colonização de Gramado e nem como não levar consigo produtos coloniais confeccionados pela família.

O Quatrilho – Em meio a vales e riachos nas localidades de Campestre do Tigre e Tapera, onde viveram os protagonistas do livro e filme “O Quatrilho”, o turista é convidado a conhecer a história das famílias que colonizaram estas terras. O cultivo de frutas e a produção de vinho, um moinho colonial, o cenário encantador de um mirante, a natureza e a mesa farta transformam o passeio e um momento inesquecível. Nesse passeio tu conhecerás:

Família Lazaretti | Há mais de 120 anos a família Lazaretti enraizou-se em um pequeno espaço de terra no interior de Gramado. O turista é recebido pelo seu proprietário Celeste Lazaretti, que compartilha sua experiência na lida do campo em meio a um imenso parreiral de uvas e kiwis. Na sua adega, com barris produzidos a mais de 100 anos, também conta como é preparado o vinho colonial e a graspa, que podem ser degustados pelo visitante.

Família Grins | No moinho colonial da família Grins, na propriedade onde viveram os protagonistas do romance “O Quatrilho”, Nicodemo e Maria, Joseph e Carolina no ano de 1893, o casal Eduardo e Marlize conta a história destes personagens que marcaram época. O visitante é convidado a conhecer o cemitério onde é possível ver o túmulo onde estão Nicodemo e Maria. Ao lado do cemitério, fica a Igreja de Pedra Santo Antônio, onde foram realizados os matrimônios dos casais.

Morro da Polenta | Uma vista exuberante é apreciada pelo turista neste ponto do passeio. O Morro da Polenta, a 900 metros de altura, é usado como mirante. Os cliques são inevitáveis, pois todos querem levar consigo a lembrança incomparável do interior de Gramado. O momento é marcado pela vista de um cenário ladeado de campados e morros cortados pela estrada que liga Gramado à Nova Petrópolis.

Família Ramm | Na porta de entrada da casa de Ingo e Isolde Ramm o visitante é tomado pelo clima interiorano ao som de sanfonas. O turista é convidado a saborear um farto e saboroso café colonial típico alemão, com receitas herdadas de seus antepassados. A receptividade do casal deixa no visitante a vontade de retornar e reviver momentos inesquecíveis.

Caminhos Linha Ávila – A história de vida de homens e mulheres, que com muita garra e trabalho, colonizaram as terras que hoje chamamos de Gramado. Alemães, italianos, portugueses, franceses e gaúchos construíram um bom lugar para viver e, através de seus costumes, mesa farta, religiosidade e empreendedorismo transformaram a pequena cidade serrana em referência turística e cultural. Nesse passeio tu conhecerás:

Família Wagner | Saborosos doces e geleias, produzidos pelo casal Lírio e Terezinha, ganham destaque no primeiro ponto de visitação. A história da família, de origem alemã e italiana, é contada enquanto o turista conhece a plantação de morangos e árvores frutíferas no entorno da bela casa construída especialmente para receber visitantes. Em época de frutas será oferecido o “colha e pague”, oportunizando aos turistas um momento único junto à natureza.

Cantina Nonno Giovanni | A imigração italiana é contada pelo casal Alcione e Marivani em um ambiente acolhedor próximo a casa onde vivem. A produção de vinho artesanal em estufa de fumo desativada tomará a atenção dos visitantes, que conhecerão a “fórmula” para fazer vinhos. Queijos, salames, sucos, conservas, mel e pães caseiros serão degustados e poderão ser adquiridos pelos visitantes.

Vivenda Schönrhein | O casal de anfitriões João Pedro e Rose Marie Rheinheimer falam sobre sua filosofia de vida, que inclui alimentação orgânica. Neste ponto, os visitantes degustam cervejas artesanais sem álcool, além do opcional Chá e Café com palestras e terapias holísticas.

Sítio Tradição | A cultura gaúcha fecha o passeio com chave de ouro. Trajado com vestes típicas, o empreendedor Maurício fala sobre a vida campeira e costumes do povo gaúcho. O artesanato produzido por sua sogra, Vânia, resgata técnicas tradicionais da Alemanha e da França, que remetem às origens das famílias de seus pais e de seu marido. O típico costelão assado na vala encerra o roteiro.

Tour Linha Bella – No Tour Linha Bella, além das exuberantes paisagens que se descortinam ao longo do trajeto, o visitante tem a oportunidade de conhecer hábitos e costumes herdados dos imigrantes italianos.

Vinícola Masotti | Junto à Vinícola, as curiosidades e particularidades da produção de sucos e vinhos são desvendadas. Todas as fases do produto até a sua maturação, são demonstradas com muita simpatia pelo Sr. Masotti.

Velho Casarão | Descendentes do Sr. Visenzo Marcon apresentam sua história de vida, narrando a trajetória de sua família, hoje em sua quinta geração. Vestígios do passado podem ser observados na arquitetura da velha construção, como o mobiliário e ferramentas utilizadas na época.

Cantinha Linha Bella | Neste local é impossível resistir ao pecado da gula. Todo sabor da comida italiana, que se mantém aquecida sobre um fogão à lenha, lhe remete ao passado, quando as grandes famílias italianas reuniam-se aos domingos para almoçar na casa da Nonna.

Moinho Cavichion | Além das informações relativas ao moinho e sua produção de farinha de milho, narrativas sobre a chegada, instalação e formação das famílias dos imigrantes italianos e alemães, são traduzidas com orgulho, alegria e descontração.

Ervateira Marcon | A bebida típica do Rio Grande do Sul ganha destaque nesta terceira parada. Os visitantes são recebidos pela família Marcon e acompanham o processo artesanal de fabricação da erva-mate, a matéria prima do chimarrão, que pode ser degustado ao final da visitação.

Super bacana, hein? Quantos passeios dispostos a revelar nossa essência, nossa história e nossa cultura. Conheça onde tudo começou, vale muito à pena. Os passeios sempre partem da Praça das Etnias, em ônibus antigos e com anfitriões sempre muito animados.